quinta-feira, 12 de junho de 2014

distancia


 
Pois não, digo então meu amor,
Que hoje vem,  e amanhã se vai,
Que amado seja novamente este hoje,
Que amados sejamos neste dia,
Esperando o tão aclamado amanhã que nunca chega,
Que só vem com o nascer do sol.
 Que teu belo corpo viaje com teus olhos,
Para o infinito horizonte,
Rumando ao breve e lindo nascer do sol,
Que te espera por aqui, talvez logo ali.
 

Murmure um soneto em meu ouvido,
Algo que nos fale sobre
Amar e ser infinitamente amado,
E sim, se perca pensando em mim,
Pois a cá estou eu pensando em vóis mi ce,
Este ano,
Longo janeiro que não passa,
E foi fevereiro, e foi março,
E junho já dura mais de uma década.
Pois somente por estes 364 dias eu anseio por envelhecer,
Espero acordar logo para ver o sol nascer,
Não quero ver o dia passar,
Só acordar para voltar a dormir.
 
Ando por aqui,
E nas ruas fico a te esperar,
Você talvez vir, ou eu talvez partir,
Ter te para o sempre que nunca existe,
Seria isso amor, poesia, algo a mais...

Nenhum comentário:

Postar um comentário